impercapa01

Review: Império Secreto (2017)

A mais recente saga do universo Marvel nos quadrinhos, Império Secreto (Secret Empire), deu o que falar e não foi por menos: de cara ela entrega que um de seus maiores ídolos e símbolos de heroísmo e justiça, o Capitão América / Steve Rogers, era um agente infiltrado da Hidra.

Vamos por partes, calma

Lembro que amigos no Facebook ficaram irritados com isso e fizeram um “alvoroço” com esta noticia e que a saga Império Secreto seria mais uma bomba nos quadrinhos e tal…
Mas é difícil você tirar conclusões de algo sem saber realmente do que se trata não é mesmo?

Ao terminar de ler toda a saga, eu tirei minhas conclusões: a saga é fantástica! De longe é a MELHOR saga das histórias em quadrinhos da editora Marvel nos últimos anos (acho que a última realmente boa que li, que envolve o universo Marvel como um todo foi O Eixo, de 2015).

Após os acontecimentos da saga O Impasse, Bem Vindo a Pleasant Hill (2016) no qual Kobik (o Cubo Cósmico na forma humana de uma menininha) traz a juventude de Steve Rogers de volta. Já que ele tinha perdido o soro do supersoldado e estava envelhecendo rapidamente desde então, com a volta da juventude todo efeito do soro também voltou, tornando-o novamente o herói que sempre foi.  Só que tinha um porém: o Caveira Vermelha estava cuidado da pequena Kobik e com isso ensinou a ela que a Hidra era algo bom e que o mal era o governo atual, assim como a Shield e todos os outros heróis. Com os poderes dela, ela teria que trazer as pessoas para o lado ‘correto” da Hidra.

Assim, ao trazer o Capitão de volta, ela colocou memórias nele para que se lembrasse de um passado que nunca existiu, onde ele sempre jurou obediência à Hidra e sempre foi um agente infiltrado dentro da Shield. Alterando toda realidade, Rogers decidiu substituir o nosso mundo por um em que a Hidra tinha o controle total, a Shield tinha sido banida, os Vingadores eram os “vilões” derrotados, qualquer inumano era uma ameaça, a Alemanha venceu a Segunda Guerra, etc…

Essa é a premissa da saga: mostrar que mesmo o melhor dos homens pode se tornar um monstro sem piedade. A saga nos apresenta o “Supremo Líder” (nome que os membros da Hidra deram ao Steve maligno) de forma magnifica. Mesmo sendo um canalha (e sim, mesmo que estava sendo induzido a pensar dessa forma, Kobik criou uma nova personalidade dentro de Steve), o Supremo Líder era calculista, pensativo, elegante e não pisava em falso, tanto que tinha o seu próprio grupo de “Vingadores”, bem parecido com os Vingadores Sombrios de Norman Osborn, no qual a maioria eram vilões.

A saga lhe prende do inicio ao fim trazendo participações de vários heróis e vilões, assim como morte e retorno de outros. Destaque para o fim que uma heroína famosa (aparece até nos cinemas ela…) teve, não como morta mas… enfim leia para saber! Um grande coadjuvante que para mim me surpreendeu com uma atuação soberba em seu capítulo foi Hank Pym…ou seria Ultron?! Mostrando superioridade (e instabilidade mental como sempre), o sombrio ex-vingador fundido ao robô assassino não demonstra interesse e muito menos respeito ao reinado da Hidra: suas intenções são mostrar o seu poder. Sem dúvida alguma, a cena do jantar é um dos pontos positivos da saga Império Secreto.

Pym/Ultron preparou um jantar nada amigável com ambos lados: Vingadores x Hidra

A Hidra no controle do mundo é implacável. A política é na base da força, do mais forte e caso você não obedeça vai sofrer as consequências. Um retrato sombrio de como seria se o nazismo vencesse, mas na saga é óbvio que os nazistas tem vilões super poderosos e outros heróis controlados para fazerem o que seu líder sociopata deseja. “Tudo para o bem da humanidade…” Claro!

Ao ler a saga me veio a mente a política atual brasileira (que não passa de esterco, infelizmente) com suas falcatruas e indução de massas através de lideres carismáticos (o Líder Supremo era um amor de pessoa!). A Hidra é suja e joga de todas as formas para blindar seus interesses e de seu Líder para transparecer a “certinha” da história, a santa. Claro que, assim como na já dita esterc…ops, quer dizer política brasileira, há uma ou outra oposição dentro do próprio governo do Líder Supremo…nada que o assuste claro!

Escrita por Nick Spencer, teve como artistas Rod Reis, Daniel Acuña, Steve McNiven e Andrea Sorrentino, e seus editores foram Axel Alonso, Tom Brevoort e Alanna Smith. A saga também foi adaptada na quarta temporada (2016 – 2017) de Agents of Shield pelo canal ABC, com suas mudanças, claro (e também a quarta temporada de Agents foi ÓTIMA, se não viu ou se ainda tá de frescurinha por causa que a primeira temporada foi péssima, veja pois mesmo não sendo fiel -não tinha como né, quem ia ter grana para colocar Chris Evans na série?!- foi muito boa e de longe a série nem lembra aquela que estreou friamente).

Que a Marvel assim como DC anda fazendo histórias estranhas ultimamente isso não é segredo, mas Império Secreto é um choque para acordar as editoras e mostrar que os fãs querem boas histórias com seus heróis. Leia a saga, tenho certeza que você irá curtir. Teve um época que eu estava dando notas para minhas analises, mas acho que números podem limitar uma opinião, então minha nota é: larga de preguiça e leia! Se você curte quadrinhos, você vai gostar muito da saga!

 

 

 

Zanella é cristão, marvete, nintendista, fã do Foo Fighters e rpgista. Encontre-o também no nerdprofeta.com