banner especial

Especial Dia das Crianças Para Adultos

Sabe aqueles dias em que você acorda, encara o espelho e simplesmente não se reconhece? Quando você percebe os primeiros cabelos brancos a salpicarem em neve o topo de sua cabeça denunciando as ações infrenes do tempo? Quando você encara tete a tete a sua mortalidade como quem flerta com o inevitável? Pois é… nunca passamos por nada parecido com isso, mas gostamos sempre de trazer essa bengala retórica como desculpa pra começar uma discussão típica dos barbados que veem bater na frente a necessidade de uma certa pílula azul e na porta de traz as falanges insinuantes de um especialista.

Sem mais delongas, volteios, postergações, protelações ou enrolações prolixas e redundantes perguntaremos ao prezado leitor: Qual a melhor infância? A sua ou a da chamada geração Z ( favor não confundir com a criação do Torayama)? O primeiro grupo alegará que sua infância foi melhor por conta de um sem número de atividades que precisavam apenas do corpo, pernas, preparo físico, materiais improvisados e muita imaginação, a seu turno, o grupo mais novo alegará que imaginação não roda em 4k, tampouco em 60 fps, não dava para montar sala e brincar com seus amigos de Dubai, muito menos colecionar troféus (e exibi-los obviamente) e, mais grave, publicar uma gameplay para ganhar curtidas, likes e anunciantes. Como democráticos, imparciais e intelectualmente honestos que somos podemos afirmar que “A NOSSA FOI MELHOR PORRA!

Ao contrário da geração atual, consumidora de um certo gênero alimentício derivado do laticínio pasteurizado e de frutas rosaceae ( é do Wikipedia sim, se não gostou vá lá e mude!), que não pode dar dois passos – às vezes antes mesmo de aprender a dar passos – sem uma tela a esgarçar sua pupila e um fone de ouvido a currar seus orifícios auriculares, nós, que já estamos por volta dos 30, tínhamos um leque muito variados de opções para conseguir um pouco de diversão. A maior prova disso era quando chegava o “Dia das Crianças”.

Celebração cujas datas variam de país para país tem seu dia fixado pelo Unicef como sendo em 20 de Novembro desde 1959, mesma data e ano em que esta instituição publicara a Declaração dos Direitos das Crianças. Aqui no Brasil, a criação de um dia específico para as “crianças” se dera em 1924 ( na sua cara ONU!!) como projeto de lei do Deputado Federal Gaudino Valle Filho em comemoração ao 3° Congresso Sul Americano da Criança, realizado em Outubro do ano anterior ( faça as contas e você descobrirá em que ano foi). A data não foi lá bem aceita por décadas, até que em 1955 uma empresa de brinquedos, pensando no bem estar do seu próprio bolso, fez uma massiva e agressiva campanha de marketing e conseguiu emplacar a data, chamando a atenção de outras do ramo para abraçarem a causa. Clique na imagem abaixo para revelar o oculto.

Empresa Salvadora

Logomarcaestrela

[collapse]

Isso mesmo, garotinho nutela, enquanto você baba e tem sonhos molhadinhos com os mais novos lançamentos de Samsung, Apple, Nokia, Lg e Microsoft, nós temos a empresa que recriou o significado de uma data só para vender!!! Agora que colocamos você em seu devido lugar, podemos então passear pelos anos áureos perdidos no MUNDO ANTES DO PLAYSTATION – Roda a Vinheta! (ops esqueci que isso é um texto escrito!)

Mas a vaselina conceitual adequada para melhor introduzir esse conhecimento em vocês começa pelas empresas responsáveis pela nossa alegria toda vez que o dia 12 se aproximava. Como em todo setor de negócios, é preciso saber quais marcas são as mais caras e confiáveis e quais vão se estilhaçar na primeira brincada, causando o inevitável choro da criança e a ainda mais inevitável surra que ganharíamos de brinde dos pais por já ter quebrado o brinquedo tão cedo, sua praga do inferno! Em nossa época podíamos listar:



Guilliver

gulliver logo

Rainha dos brinquedos de baixo orçamento e de action figures ( nome mimizento pra bonequinhos de plastico). Favorita para quem gostava de brincar de botão ( futebol de mesa para os barbados com síndrome de Peter Pan), de guerrinha, de cowboy, de zoológico e o que mais parecesse com os filmes da Sessão da Tarde ou com os desenhos dos muitos programas infantis que existiam à época. Ela dava ao usuário a possibilidade de emulação de sons de “pew, pew”, “kaboom” e outros do gênero, já que raramente contava com brinquedos com gravador embutido. As peças apesar de bem trabalhadas, logo perdiam as extremidades por simples questão de manuseio do brincante com a sutileza da jamanta prenhe que nos era própria, ou, ainda mais pertinente à época, eram mastigadas pelo cachorro, pelo seu irmão menor ou por você mesmo, sua criança nojenta!! Usando basicamente pano, plástico e papel era a empresa de menor custo de produção e de menor preço nas prateleiras. Sabíamos que era uma empresa bem mais modesta porque não tinha anúncios na televisão, termômetro pra saber qual o orçamento que cada companhia tinha pra gastar em marketing.

GROW

grow logos

Ao contrário da anterior, essa conseguia ter grana suficiente para anunciar na televisão, mas vamos considerar uma prima pobre, porque só tinha dinheiro para propagandas no SBT. E na emissora do Sr Abravanel, só ele tem dinheiro, ôie! Essa corporação também é dignatária de um outro tipo de brinquedo, os que funcionavam à pilha! Apenas usuários de Xbox sabem o que é isso, mas naquela época não existiam carregadores e você, veja o absurdo, precisava de um tipo de cilindro que continha energia armazenada. Quão bizarro era o mundo antes do advento do PS!!!! Mas seus brinquedos mais famosos eram os jogos de tabuleiro e quebra-cabeças, especialmente a série Imagem e Ação. Os paga-paus do Tolkien, aqueles que ainda mantinham a virgindade bucal intacta, também veneram essa empresa por conta de ser a redistribuidora oficial no Brasil de Dungeons & Dragons ( que nunca aprendi a jogar…já viu o tamanho do manual?) e pelo maior destruidor de amizades da época, WAR!!!! Apesar de ser só papel ao fim, o preço de seus carros-chefes, por conta do prestígio adquirido, eram mais salgados que o Mar de Aral. ( Vai no Google preguiçoso!!!)

GLASSLITEGlasslite_Toys_Logo

A empresa mais FDP de todas! Tudo que tive dela funcionava a pilha, e daquelas extravagantes que custavam o olho rabial e não duravam nem meia-hora (e vocês reclamando do Switch). Era de um outro tipo de produtora, daquela que tinha os bonecos dos seus seriados favoritos, mas como não tinha grana para bancar os direitos dos desenhos mais parrudos que passavam na Globo, contentava-se em distribuir os bonecos dos tokatsus da Manchete ( emissora mais pobre que o SBT, mas que tinha novelas com “BOOOOBS” à noite). Vez em quando conseguia tirar uma casquinha de algumas séries como Star Wars e ThunderCats mas sempre foi um peixe grande perto do verdadeiro Tubarão que vem a seguir.

ESTRELA

Logomarcaestrela

Essa é a nossa Apple, nossa Samsung, Microsoft, LG e Motorola da época! A toda poderosa Estrela, foi a que fez um acordo com a Gradiente fundando a Playtronic, distribuidora oficial de produtos Nintendo em meados dos anos 90. Ainda, fazia a redistribuição de produtos da Mattel e Hasbro no país. Todos os tipos de brinquedos, de todos os gêneros, e pra todos os gostos estavam representados nessa megacorporação tupiniquim. Obviamente, era tudo caro pra carvalho! As crianças ricas tinham brinquedos estrela em todo lugar, eu só ganhava um por ano se me comportasse bem. Se duvida do poder dessa empresa é só olhar alguns parágrafos acima e rememorar quem recriou essa data no Brasil. Pra melhor entender o que foi a Estrela, segue em anexo o comercial da empresa para o Dia das Crianças:

Já tendo o leitor gozado dessa extensa e pulsante introdução, já nos é possível entender o que era o Dia das Crianças nos anos 80/90 os únicos que, segundo nosso imperativo categórico, foram os valeram à pena serem vividos, até o advento de The Last of Us, que aposentou todas as eras humanas e geológicas pregressas. Dessa forma, vamos dar uma verdadeira aula aos rebentos da geração Z que conseguiram chegar até aqui nesse texto sem checar o Whatsapp, Face e Instagram ao menos umas 100 vezes, elencando um top 10 dos melhores brinquedos pra se ganhar no Dia das Crianças.

Seguem os critérios:

1- Brinquedos são artefatos culturais confeccionados para o propósito lúdico, por isso qualquer coisa palpável é um brinquedo, mas por questões de jabá, estamos deixando evidente a marca do mesmo, para que se confirme o depósito bancário das pessoas jurídicas aqui expostas em nossas respectivas contas corrente. A gente tem bocas para alimentar, vocês acham mesmo que íamos fazer propaganda de graça? Destarte ficam excluídos brinquedos improvisados e de domínio público que na verdade, de tão comuns, eram dados em qualquer época do ano ou confeccionados por um parente adulto ou pela própria criança e aqueles cujas proprietárias não nos pagaram pra aparecer nessa lista. Isto posto, estamos eliminando desta listagem:

Imagens de brinquedos fuleiros – poderiamos por um Switch no meio ou algo bem inusitado como um brinquedo sexual , ajuda a decidir

2 – Essa lista é nossa seu Nerd! Então ou colocamos o que nos deu na telha em ordem aleatória ou tiramos no pedra papel tesoura para decidir as posições. Lembre-se que todas as outras listas são opiniões, mas só a nossa que está realmente certa!

3 – A medida do sucesso de um brinquedo é o quanto Xuxa, Sérgio Malandro, Bozo, Mara Maravilha, Angélica, Gugu e Eliana tentaram nos vender essas porras durante seus programas, porque na verdade só os riquinhos podiam ter todos eles. Como nós os odiamos!!!

4- Alguns brinquedos da listagem não pertencem a nenhuma das empresas citadas, mas nos faziam contrair o esfíncter toda vez que apareciam na televisão, ou quando nossos coleguinhas exibiam eles nos recreios. A verdade é que o mercado de brinquedos é bem sem-vergonha e tinha muita imitação descarada dos brinquedos de sucesso, fora os licenciados pelo Jack Spearow, e é possível que se listem aqui as cópias ao invés dos originais.

5- Bicicletas, Skates, Patins, Pranchas de Surfe ( não inclusas as feitas com tampa de caixa de isopor) e Bodyboard, Karts, Walkmachines, Mini buggies e afins, apesar de serem normalmente vendidos para as crianças nessa data, serão considerados meios de transporte e não brinquedos, mesmo que só usados para dar aquela voltinha rápida na praça, ou na frente de casa, ou para ir até a vendinha comprar bombons, biscoitos ou picolés.

NOTA DE INUTILIDADE PÚBLICA: Para ser sincero com o leitor, uma das empresas produtora desse gênero de cultura material, a Caloi, recusou-se veementemente em pagar o Jabá, por isso nós simplesmente “esquecemos” dela. Com relação a brinquedos que usam gasolina ou materiais caros, se você teve um, você era um dos riquinhos e já adiantamos que aqui você é persona no grata e que somos recalcados com seu sucesso.

6- Nenhum Video-game está aqui, porque Video-game não é brinquedo! É uma central de entretenimento onde expandimos nossa percepção e fruímos das visões artísticas do game designer. Se você não concorda com isso, você está errado e não passa de um infantil cabeça de melão! Tomara que o Homem do Saco te leve, seu feio!hqdefault



TOP 10 – Melhores Brinquedos do Dia das Crianças



10 – Soldadinhos da Guilliver

Como dito antes, a Guilliver era uma empresa muito humilde, mas nos dava algo para rodar na Engine da Imaginação. Usando nossos conjunto-com-24-soldados-2-cercados-herois-reais-gulliver-a1-21e88242a9c8efc10714797670082407-1024-1024quintais, terraços, móveis e jardins, emulávamos verdadeiras batalhas de fazer inveja a qualquer produção de Spielberg. COD e Battlefield são joguinhos de neném perto dos confrontos épicos que construíamos nos intervalos dos deveres de casa e dos programas infantis. E para os mais hardcore, valia muito à pena vê-los derreter sob o castigo de uma lupa. As crianças psicopatas faziam isso com formigas!

9 – Linha de bonecas e licenciados estrela para menininhas

De fato não tem como escolher apenas uma. A Estrela era uma máquina de produzir brinquedos para meninas. Das cheirosas Moranguinhos ( que confesso cheirava tudo nelas, imaginem até onde fui…), aos Pequenos Poneis, Bolinha de Sabão, aquela que cantava batatinha quando nasce, a que chorava quando tirava aboneca-moranguinho-perfeita-na-caixa_iZ21XvZxXpZ3XfZ114349888-6568430713-8.jpgXsZ114349888xIM chupeta, a que não fazia porra nenhuma e mesmo assim custava uma fortuna, licenciados de todos os tipos eram o sonho de princesa Disney das menininhas e a primeira lição de anatomia feminina para os meninos. Estou na terapia ainda viu? O que rolou entre as bonecas e eu só diz respeito a mim e a meu terapeuta!

8 – Super Massa

Nunca comprei esse troço, mas as propagandas eram espetaculares! Fazendo qualquer tipo de coisa naquele simulador de evacuação anal, os anúncios faziam as crianças acreditarem que eram realmente talentosas e podiam fazer qualquer coisa com aquele super massa salaobrinquedo. É da série de brinquedos “compre um e se torne nosso escravo pelo resto da vida”, já que toda quinzena saia um modelo novo, fazendo algo inusitado. Sendo considerado um LEGO de massinha, o Super Massa fazia a gente pagar caro por um brinquedo que era parte de nossas aulas de jardim de infância. Como é bom ser otari…ops, digo, ser criança!

7 – Cavaleiros do Zodíaco

Imagine você sendo criança lá pelos anos 90 e de repente passa um desenho com armaduras estilosas, golpes secretos que tem de ser falados senão não saem, sangue e inimigos sendo mortos na sua frente? Melhor ainda, todos os personagens desse desenho são anunciados em forma de bonecos a cada intervalo na Rede Manchete ( nunca vou chamar de action figure! boneco-cavaleiros-do-zodíaco-seiya-de-pegasus-bandai-09065-01Saia da terra do Nunca Peter Pan!). Misturando cenas do desenho e os bonecos a apoteose dos comerciais culminava num êxtase visual criava a névoa do hype para o episódio e para a esperança de ganhar um daqueles cavaleiros no dia 12, ou no Natal, ou no aniversário, ou no dia de finados, ou depois do juízo final. Quero todos agora! Crianças venderam suas almas e rins para terem ao menos um deles. Provavelmente o brinquedo mais pirateado, posto os que possuíam o selo da BANDAI só para aqueles que tivessem despertado o 10° sentido!!!

6 – Comandos em Ação

Um dos reis da categoria “compre um e se torne nosso escravo pelo resto da vida”. Baseado na série de desenhos G I Joe, ele inventava todo tipo de desculpa para lançar um boneco novo, um veículo aéreo, terrestre ou aquático novo. O mais engraçado é que a linha de bonecos nada tinha a ver com o que víamos no desenho, na verdade parece que foram os bonecos que criaram o desenho, coisa típica dos anos 80. Mas não nos importávamos, queríamos era brincar. hannibalvsrocknrollPertencente à toda poderosa Estrela, essa série durou mesmo depois do desenho ter acabado, quando um tal Max Steel começou a roubar as mesmas ideias dessa série. Verdadeira extorsão americana, é a expressão máxima do modelo de todas as linhas de bonecos licenciados que encontraram modelos parecidos com bonecos dos Transformers, He-Man, Thundercats, Caça-Fantasmas, Rambo e tudo quanto era desgraça de desenho da TV da época . Mas confesso sem vergonha alguma: eu adorava gritar COOOOBRAAAAA!!!

5 – Autorama/Ferrorama

Eis um brinquedo caro demais e que entregava muito menos do que era visto na TV. Simulador de veículos antes que a Hot Wheels se tornasse uma febre, é alardeado como um hobbie e não um brinquedo, pois adultos não brincam não é? O modelo básico vinha com uma pista bem furreca, por isso era preciso pagar por fora uma grande soma de dinheiro para poder montar verdadeiros circuitosautorama-pista-eletrica-formula-gp-max-5803-braskit. Cremos ser esse o brinquedo dos sonhos de todo menino, mas que só puderam realizar depois que cresceram. Pelo preço, já se sabe quem era a revendedora desse produto no país. Costumava ser da Glaslite até que uma certa gigante ganhou os direitos de redistribuição. Olhe pra cima de noite e você saberá qual ( e aí vem o doidinho e diz “Lua!”… é cada lesado da mente…)

4 – Tamagotchi

Nem sei quem distribuía essa joça por aqui! Aliás todo o modelo que vi era de uma fabricante diferente. Como bons pesquisadores que somos, fomos lá no Google, após uma rápida passeada no Xvideos, e descobrimos que era da BANDAI, a mesma dos Cavaleiros do Zodíaco. Era o bichinho virtual antes do Poh e dos smartphones. A ideia era simples: você alimentava, banhava e dava atenção, por meio de botões ( sem touch na época, que demodé!) a um bicho pixelado e tão pouco inspirado no design quanto o Kirb…o objetivo era fazer aquilo ganhar peso e crescer feliz, que fofo!maxresdefault A real vantagem desse bicho era que não precisava dar uma de Capitão Nascimento e desfazer a merda que ele fazia. Como eu tinha bichos de verdade, com uma vida e responsabilidade de verdade para com eles, nunca liguei para tamagouchis. Sempre achei uma saída nutela para crianças ovo-maltinianas. O divertido era matar os “bichinhos virtuais” e ver a cara de tristeza dos proprietários!!!

3- WAR

O maior destruidor de amizades da História da humanidade. Uma versão mais detalhada e parruda da batalha naval, em que você desenvolvia estratégia militar e aprendia geopolitica ao mesmo tempo. Seu objetivo era secreto, e seus rivais tinham de descobrir quais territórios você queria para cumprir seus objetivos ao tempo que tentavam alcançar os próprios objetivos ocultos. war-tabuleiro-growEram horas e horas de jogo, obviamente para os que sabiam jogar mesmo e não só ficar jogando dados aleatoriamente, quando de repente…o adversário conseguia mais uma troca e tirava do nada mais um número absurdo de combatentes, para assim passarmos mais algumas horas jogando. Aqui em casa, fazíamos o War da virada, quando começávamos a jogar War 31 de Dezembro e terminávamos só 1° de Janeiro. Isso mesmo, nós estávamos precisando de namoradas. Muito, muito mesmo!

2- BARBIE

Antes de Rihana, Byoncé, Madonna, Annita e Pablo Vittar (ops esse acho que não é mulher!) havia a maior mulher de todos os tempos. Sempre grudada com seus 1001 acessórios ( vendidos todos separadamente) ela sambou na cara das recalcadas Susy e Polly que sempre estiveram na pista e não no camarote VIP que esta boneca sempre frequentou.barbie-estrela-anos-90-n-81-raridade-collecting-toys-D_NQ_NP_302111-MLB20495863029_112015-F Tendo encarnado todos os temas de cinema ou da vida cotidiana, épocas históricas e até etnias e fenótipos. Essa extorquidora de bolsos é o sonho de consumo de quase todas as meninas, exceto as ressentidas porque não tem uma Barbie ou porque não se parecem com a Barbie e também pelos meninos que queriam ser a Barbie.

Menção Desonrosa:

Maquininha de Sorvete da Glaslite

Pogoball da Estrela, que antes era uma merda da Glaslite

Menção Honrosa

Playmobil, Lango Lango, Combate, Banco Imobiliário, Super Trunfo, Muph, Genius, Transformers, Aquaplay,

NOTA DE INUTILIDADE PÚBLICA

Batalha Naval não colocamos, porque podia ser feita com papel e caneta.
Dungeons & Dragons não entra aqui para evitar Butt hurt dos Nerds que não consideram esse jogo um brinquedo.

1- LEGO

Lego é um misto de quebra-cabeça e action figure cabeçudo. Quem tinha preguiça de montar LEGO comprava um Playmobil, porque já vinha montado. Dando apenas o tema e oferecendo os blocos para a criança soltar a imaginação, LEGO é considerado por nós o melhor brinquedo já feito. Mas se você é hardcore vai achar que ele é apenas um Minecraft físico de plático. 6079_Dark_Forest_FortressExistente até hoje e angariando licenciamento de series famosas como Harry Potter, Marvel e DC, LEGO invade dos cinemas aos videogames. Um verdadeiro monstro desta indústria vital e que engasgou com suas peças muitas crianças pequenas e soltou a criatividade de tantas outras. LEGO, nós o saudamos!!!



Essa lista está realmente foda, Al Rashid, o texto ficou ótimo, mas agora deixa eu, Visio, contar uma história aqui, de um dos brinquedos mais fodas que ganhei na infância, sem considerar os videogames, logicamente.

Em um dos meus aniversários, acredito que entre 8 e 10 anos, ganhei um presente muito estranho do meu padrinho, que também era meu avô, que também era meu patrão, pois era ele o dono da oficina onde a gente ajudava quando éramos criança, ou seja, era muito respeitado por mim! O brinquedo era um Genius, igual a esse da imagem:

Genius_EstrelaProduzido pela Estrela, o brinquedo era um sucesso, mas não na época em que ganhei. Ele foi um sucesso em 1980 e eu ganhei ele por volta de 1995, 15 anos depois do sucesso do brinquedo. O que foi muito estranho, pois o brinquedo era pra mim, mas foi minha mãe que ficou mais empolgada. Ela ficou tão animada que imediatamente me empolgou. A reação dela foi inesperada e logico que eu queria participar dessa situação. Após o termino da festa poderíamos brincar com o tal Genius.

O jogo precisava de pilhas. Na verdade, naquela época tudo precisava de pilhas. Eu imaginava que as geladeiras usavam pilhas enormes na traseira delas e pra mim o botijão de gás nada mais era do que uma pilha específica para o fogão. Enfim, o jogo precisava de pilhas e a casa era cheia de eletrônicos que usavam pilhas. Começou a caçada por pilhas. Tiramos de alguns outros brinquedos e enfim conseguimos reunir a quantidade necessária para que o brinquedo funcionasse corretamente. Nos reunimos na sala e o brinquedo ficou no chão, enquanto estávamos em uma espécie de circulo. A família era composta por 6 pessoas, dois adultos e 4 crianças, mas o jogo era para ser jogado por no máximo 4 pessoas, então, alguém decidiu, logicamente esse alguém não fui eu, que jogaria uma pessoa por vez. Como eu era o aniversariante eu começaria jogando. Pelo menos era isso que eu pensava que aconteceria. Eu seria o terceiro a jogar. Criança só se ferra.

A justificativa era que meus pais iriam jogar para explicar como fazer. O jogo era simples demais. Ele possui quatro botões que piscam em uma sequencia e param. Você precisa repetir a sequencia. Depois ele volta a piscar, a sequencia continua a mesma, porém adiciona mais um botão para ser apertado. Você precisa repetir a sequencia anterior, porém agora já com o botão que foi adicionado na ultima rodada. Simples, mas putaquepariumente difícil de decorar. O Som era estranho e eu não consegui nenhuma onomatopeia para descrever ele aqui.

mqdefault

O jogo tinha sinais luminosos também, os botões piscavam e emitam o som. Era lindo jogar a noite! As luzes brilhavam e traziam um clima de festa eletrônica, de natal e de semáforo de transito. Genius era um brinquedo pra família e logo eu entendi isso. Eu não ganhei um presente, a família ganhou um presente. O Genius era da casa e quando chegava visita eles iam jogar. Eles, os adultos e a criançada continuava com as mesmas brincadeiras de sempre. Mas o brinquedo era teoricamente meu, então vez por outra eu tentava participar e as vezes até me era permitido brincar com os adultos.

Era incrível para uma criança com menos de 10 anos participar de uma brincadeira com adultos e o Genius me permitiu isso. Eles conversavam sobre coisas de adulto e eu só queria provar que eu era o melhor no jogo. Ganhava elogios rápidos e as vezes um olhar de aprovação, que causava uma euforia dentro de mim. Algo simples, mas eu me sentia entre adultos. Me sentia parte da família. Eu, o filho mais velho, tive acesso ao mundo dos adultos. Por pouco tempo.

hqdefault (1)Logo o Genius foi esquecido e eu também. Voltei a brincar com meus irmãos e primos, como sempre foi. De vez em quando eu olhava para o Genius e me lembrava da época em que eu fui adulto em corpo de criança e foi um brinquedo que me proporcionou isso. Já tínhamos videogames dentro de casa, como o Atari e o Mega Drive, mas era difícil se igualar aos adultos nesses jogos.

Eu vejo que isso me ajudou muito na formação do meu caráter. Sou o tipo de adulto que gosta de tratar as crianças com igualdade, dar valor aos questionamentos delas. Eu converso de igual pra igual com uma criança. Esvaziando a minha mente, fingindo desconhecer as respostas, os assuntos, os questionamentos, fazendo elas se sentirem parte da conversa. Acho muito importante isso, pois ajuda no desenvolvimento da criança, faz ela se sentir parte de algo maior, faz com que as opiniões dela sejam realmente levadas a sério, o que leva a criança a pensar melhor nos assuntos, pois pode repassar uma informação errada.

Seja brincando com o Genius, seja relembrando todos os brinquedos do passado, vamos nos permitir, vamos entrar nessa túnel do tempo e sermos crianças, pelo tempo que for. Alguns por poucos minutos e outros, como nós aqui, por uma vida inteira de brincadeiras, pois crescemos, mas ainda sabemos que brincar é ótimo pra manter a mente sempre ativa e disposta.

Compartilhe conosco sua história e seus brinquedos preferidos da infância.

 

Artigo escrito por Visio e Al Rashid.

Criador do Portal 2 join, ama os games! Jogando desde os primeiros anos de idade, naquela que considera a melhor fase da sua vida, quando ainda bebê, usando a famosa rotina do "come, caga e dorme". Bons Tempos!

  • Gabriel Frank

    Animal! Bro, que saudades brincar com os bonequinhos he man! GI Joe! Nostalgia phoda! Esse texto deu uma alegrada na minha segunda feira!

    • Visio

      Valeu Frank! Objetivo atingido! A intenção era trazer um pouco de nostalgia sim!

  • Alexandre Francisco

    Caraca cara. Que texto gostoso de ler, pqp. Eu ri demais com as suas passagens, e o seu modo de escrever me dava mais vontade de continuar lendo. É interessante saber que, mesmo sem nem saber quem voce é, a gente teve infancias muito parecidas, mesmo eu tendo pego mais o final dos anos 90 do que o comeco. Joguei muito war tbm, mas minha “infância” (ja que foi mais dos 13 aos 18, mas eu demorei a amadurecer hahaha) foi mais jogando rpg de mesa, com dados e caneta. Parabéns pelo texto cara, quero ler mais coisas suas aqui no 2 Join.

    E Visio, eu lembro do Genius. Hahahaha
    Nao do jeito que tu lembra, mas eu lembro. Nao foi nessa época que vc quebrou o braço? Creio que temos ate uma foto de vc jogando Genius com o pai e a mae na garagem nao finalizada la de casa.

    Meu sonho sempre foi ganhar aquele robozinho que o Gugu dava pras crianças naquele quadro dele. Nem lembro o nome mais, mas deveria ser o olho da cara XD

    • Visio

      Al Rashid é foda mano! Ele ainda vai trabalhar aqui com a gente, pode escrever! =P

      Esse Robô do Gugu não era o tal de Emiglio? Saporra parecia genial né? Nunca vi um pessoalmente.

  • Quando eu era criança jogava muito com bolinhas de gude, pipa, bola, skate e carrinho de rolemã. Também usava estilingue feito com forquilha de madeira e aquelas borrachinhas de farmácia amarelas. Geralmente em dias frios e de chuva a gente brincava mais com os jogos de tabuleiro, tipo o jogo da vida que eu gostava bastante, mais que o banco imobiliário. Até hoje lembro de me machucar as vezes tentando separar duas peças de lego com os dentes kkkkkk outra coisa comum era a gente usar pilhas sortidas na base do carrinho de controle remoto, 4 pilhas, 4 marcas e cargas diferentes kkkkkkk mas funcionava. Obviamente relógios e controles de TV da casa ficavam desfalcados. Eu sempre achei um absurdo usar uma Durecell em um relógio de parede de cozinha… meu Deus, põe uma RayoVac nele e pronto! Sempre detestei o dia das crianças porque muitos amiguinhos meu ganhavam coisas, não tão fodas como no natal mas… ganhavam algo, e eu nunca ganhava nada só porque faço aniversário no mesmo mês do dia das crianças, um pouco antes do dia 12 para piorar, que droga, eu poderia ter 3 datas para conseguir brinquedos mas ficava com 2. ^_^
    Eu posso afirmar que o Tamagochi fez mais sucesso que qualquer coisa da época, foi por um período relativamente curto, mas dentro deste período ele foi imbatível. Nada, absolutamente nada superava os tamagochis… menino, menina, mães, adolescentes, todo mundo tinha um bichinho virtual no bolso. tecnicamente eles foram os precursores da telefonia móvel moderna que escraviza as pessoas com sons bip´s e sinais solicitando nossa atenção.
    Eu gostava de arrancar a cabeça daqueles playmobil, o cabelo que era destacável. Os comandos em ação tinham uns caças e helicópteros que eram absurdamente reais e pesados, muito bem feitos mesmo, eu chorava pra ter um daqueles. Só quando eu vi um mega drive de perto pela primeira vez eu senti algo parecido… tipo estar perto de algo muito, mas muito foda mesmo!
    Vou parar por aqui, se eu for lembrar da Angélica, meu jogo de Veja (a revista) de tabuleiro, minha coleção de carteiras de cigarro e meus times de futebol de botão… vou encher isso aqui com mais uns 30 parágrafos kkkkkkkkk, ótimo texto Visio!

    • Visio

      Caramba! Fiquei curioso, não vai me dizer que está fazendo aniversário hoje!?
      Esse artigo foi escrito, na sua maioria, pelo meu amigo Al Rashid, que mais tarde vai comentar aqui também. A habilidade de escrita dessa criatura é mais de 8000!!!!
      Falando em Tamagochi, na sua escola também proibiram esse brinquedo? Onde eu estudava você não poderia aparecer com um bichinho virtual na sala de aula, mas se o fizesse teria que estar no silencioso, pra ninguém saber e na hora do recreio você colocava o bichinho em dia. Muito deixavam com as mães em casa, mas, sendo de família de 4 filhos, nunca me passou pela cabeça deixar algo para minha mãe fazer por mim. hahahaha jamais o faria!

      Cara, se puder divulgar esse artigo eu agradeço, queremos que mais pessoas relatem suas experiencias e que sintam esse sabor da nostalgia ao lerem o artigo. É uma homenagem a todos nós.

      • He he he é o costume. Um abraço para Al Rashid pelo texto. Não, já passou kkkkkk. Que eu lembre o bichinho não chegou a ser proibido na minha escola, mas faz muito tempo pode ser que a direção tenha feito alguma advertência mas não lembro.
        Falou!

  • Ivo
    • Nossa eu tinha esquecido do Aquaplay! Muito bom relembrar!

    • Visio

      Esse Pogo bol era show! =P

      Banco imobiliário é fantástico também, incrível como ele consegue desfazer uma amizade de anos em apenas uma partida hahahaha nem Mario Party consegue essa façanha