armspi

UPDATE – Testamos ARMS Global Testpunch: nossas impressões

Fala Rapaziada!

Esse final de semana tá rolando o Global Testpunch de ARMS (Switch). Da mesma forma como fez com Splatoon e seu Testfire, a Nintendo resolveu botar a galera pra testar o jogo e colocar seus servidores à prova pra ver se aguentam o tranco.

Tivemos a chance de jogar um pouco e trouxemos aqui a nossa primeira impressão:

M1212

Não é bem essa a primeira impressão, mas tá valendo também.

Primeiro de tudo: ARMS é LINDO. A trilha sonora é extremamente empolgante, o jogo roda LISAÇO, os personagens são carismáticos e a Ribbon Girl é linda demais (desculpa aí Rosalina).

1901069

maxresdefault

Quanto ao gameplay em si, ele é bem simples: o objetivo é sentar a porrada no adversário e não tomar porrada dele. O básico de um jogo de luta.

Os comandos:

Analogico esquerdo – mexe o lutador

Analógico esquerdo pressionado – defesa

Digital pra cima – muda o adversário (em batalhas em grupo)

A – soco direito

B – soco esquerdo

A+B – agarrão

X – Pulo

Y – Dash

R – Aciona especial (Rush)

Antes da luta cada personagem escolhe um “set” de luvas com características diferentes. Luvas que dão ataques elétricos, de fogo, bumerangues, tiros triplos e outros. É possível cada braço usar um tipo diferente, o que abre uma grande possibilidade de combinações pra agradar todo mundo. Talvez demore até achar o Set perfeito, mas é questão de paciência.

No início você passa por um tutorial pra se familiarizar com os comandos. Feito isso é possível batalhar com a galera online. Ao entrar no Lobby você vê quem está lutando e o jogo vai buscando alguém pra brigar também. Não demorava muito pra aparecer um adversário e começar uma luta, que podia ser de quatro tipos (definidos aleatoriamente):

1- Mano a mano (um contra um, vence quem nocautear o outro primeiro);

2- Duplas (duas duplas se enfrentando, vence a dupla que ao final tiver um em pé);

3- Deus Nos acuda (uma galera se estapeando na arena e seja o que Deus quiser);

4- Vôlei bomba (cada um fica num lado da rede e fica uma bomba  pra lá e pra cá. Quem deixar a bomba explodir do seu lado perde);

Os comandos são precisos, as reações rápidas e como dito antes, o jogo flui muito bem. Mas confesso que esperava uma luta mais dinâmica e frenética, achei mais cadenciado do que parecia no trailer. Uma coisa que me atrapalhou foi o soco em curva: durante o soco basta mover o analógico esquerdo para um dos lados que ele faz uma curva. Só que nem sempre a sua intenção é um soco assim, às vezes é só um direto na fuça mesmo, mas socar se deslocando gera esse tipo de imprevisto. Talvez seja falta de hábito e com o tempo isso seja dominado, mas nesse momento não foi muito legal.

Consegui a proeza de perder TODAS as lutas, o que foi algo bem frustrante, mas ainda assim achei um jogo com muito potencial. A sensação que tive foi de estar jogando Street Fighter em terceira pessoa, só que só podendo escolher o Dhalsim. Chego a pensar até se não teve um dedinho bracinho da Capcom no desenvolvimento.

No evento de janeiro, ARMS foi o jogo que me fez levantar da cama quando foi anunciado, mas acho que ainda falta algo nele. Fico feliz em ver que a Nintendo tá investindo em uma nova IP e saindo da zona de conforto da mesma forma que fez com Splatoon, só espero que não cometa os mesmos erros de quando lançou o jogo pra Wii U em 2014.

Por enquanto posso dizer que gostei do jogo, mas ainda não vejo motivos para comprá-lo.

Vamos ver com serão os próximos Testpunches e se conseguem me fazer mudar de opinião.

E vocês, já testaram? Pretendem testar?

Deixem suas opiniões.

UPDATE 1: No testpunch das 15-16h consegui resultados melhores, vencendo várias lutas. Troquei de personagens, fui testando combinações de luvas e a conclusão que eu cheguei é: eu sou muito ruim Master Mummy é muito OP.

Nesse segundo período passei por uma coisa que não tinha passado no primeiro: queda de conexão. Mas é aquela coisa: a conexão cai de uma vez, não fica se arrastando e impedindo de jogar. Com exceção das quedas, TODAS as lutas rodaram suave, sem lag NENHUM. Fiquei surpreso com a qualidade da conexão.

Dessa vez tinha mais gente jogando e demorou menos ainda pra fechar grupo pra batalhar.

Agora é esperar o testpunch das 21h, talvez até com um convidado especial e trazer novas observações a respeito.

Até lá!

Fã de Zelda e adepto da Nintendo desde que se conhece por gente. Fora um Atari e um Mega Drive, todos os seus outros consoles foram Nintendo. Nunca teve um Playstation ou Xbox (e nem pretende ter), já que nunca viu motivo para tê-los.

  • Alexandre Francisco

    O hype só aumenta.

    Vi muito reclamação de instabilidade no servidor. Aconteceu algo assim contigo?

    A dublagem dos personagens é boa?

    Tu perdei TODAS MESMO?!

    • fmrbass

      na primeira rodada perdi todas, mas vendi caro as derrotas. na segunda já me saí bem melhor.

      Instabilidade do servidor não rolou muito não, uma ou duas lutas que terminaram por quedas de jogadores só.

      Nem notei dublagem, parece um monte de Link: ‘YAAA”, “HYAAAAHH” e coisas do tipo

  • Visio

    Parece estar foda hein!? Tô bem afim de jogar esse game!

    • fmrbass

      Olha, o último testpunch que eu joguei foi muito, mas MUITO frustrante. Em uma hora de tentativa só consegui finalizar duas lutas e perdi 30% de bateria.

      Simplesmente injogável.

      • Visio

        Que bosta isso.
        Eu lembro que no Splatton foi um problema também e hoje em dia você joga sem queda. Raramente cai.

        • fmrbass

          Sim, os primeiros Testfire foram terríveis, tanto que eles prorrogavam o tempo pra compensar o período que ficou fora.

          Fiquei curioso pra ver esse jogo rodando localmente.

          • Visio

            Eu achei a proposta bacana. Curto muito jogos competitivos assim, então, espero que ele tenha um ótimo desempenho tanto local como online.

          • fmrbass

            Olha, Arms tem cheiro e gosto de jogo competitivo. Nasceu pra E-sports.