aranha-clones-capa

Review – Morto Nunca Mais: A Conspiração dos Clones (2016-2017)

Vamos falar da última grande saga do Aranha nos quadrinhos Marvel, Morto Nunca Mais: A Conspiração dos Clones (2016 -2017). Já vou avisando, caso você ainda não leu, CUIDADO pois contém alguns spoilers, então siga por sua própria conta e risco!

Morto Nunca Mais: A Conspiração dos Clones é uma recém finalizada saga do Homem-Aranha escrita por Dan Slott e Christos Gage e tem Jim Cheung como artista principal. Antes de começar a falar da saga em si, vamos fazer um breve resumo dos personagens principais, isso será bom para você leitor, caso não esteja acompanhando os últimos lançamentos do Aranha.

Homem-Aranha / Peter Parker

Óbvio que todos sabemos quem é Peter Parker, mas para os que não acompanham quadrinhos ou as suas histórias, estão desatualizados sobre como está a situação do herói aracnídeo. O Homem-Aranha foi criado originalmente em 1962 na hq Amazing Fantasy #15 pelo gênio Stan Lee. Antes, um adolescente de 15-16 anos irresponsável, é obrigado a ganhar responsabilidade para cuidar de sua tia, de sua casa e ainda combater vilões dos mais variados tipos. Atualmente, ele se encontra na faixa dos 27-28 anos, não está nem casado e muito menos namorando Mary Jane há anos (sim, isso são águas passadas…), teve sua consciência trocada pelo corpo moribundo do Dr. Octopus (que resultou na saga Superior Homem-Aranha), mas em seguida recuperou o controle de seu próprio corpo. Enquanto Octopus estava no “controle” do corpo de Parker, além de salvar o dia como Superior Homem-Aranha (ás vezes com atos anti-heróicos…), conseguiu um diploma de doutorado e criou a Parker Industries, uma gigante multinacional que deixou Parker um milionário (Stark que se cuide…) e o Homem-Aranha ficou conhecido como segurança pessoal do dr. Parker. Agora Peter tem através de sua empresa, uma série de equipamentos e apetrechos, como sua roupa, que possui agora visores noturno, comunicador na máscara, Aranhamóvel, Jato-Aranha, entre outros.

Chacal / Miles Warren

O Chacal é um vilão secundário do Homem-Aranha e do Justiceiro. Após certos eventos nas histórias do Aranha, ele se tornou um perigoso e maníaco vilão, fissurado na falecida Gwen Stacy, no qual sempre fazia clones dela, e no próprio Parker, no qual criava também diversos clones. Seu alter ego é o doutor Miles Warren. Criado por Gerry Conway e Ross Andru, ele era um professor de biologia de Peter Parker e sua primeira aparição foi em The Amazing Spider-Man #31 (1965). Em The Amazing Spider-Man #129 (1974), ele aparece como o vilão Chacal depois de ter ganho conhecimentos super-avançados de genética aprendidos com o Alto Evolucionário e se tornando instável mentalmente.

Doutor Octopus / Dr. Otto G. Octavius

O velho Dr. Octopus está de volta…Após perder a consciência para o controle de Peter Parker, Otto sai do corpo do Aranha, onde todos achavam que ele se extinguiu já que seu velho corpo idoso e doente já tinha virado restos mortais e, com a perda da consciência seria o fim definitivo dele. Mas, no final da saga do Superior, já vemos que o vilão conseguiu passar sua consciência para o robô-assistente da Parker Industries, o Cérebro Vivo. Ele tenta até sem sucesso dominar um corpo de uma pessoa, mas falha e percebe que ele só iria ter sucesso se voltasse para o seu próprio corpo ou para o corpo de Parker. Até que Otto transfere sua consciência do Cérebro Vivo para uma das aranhas que tinham a função de alertar/filmar na época que ele era o Superior Homem-Aranha. Ao chegar em seu túmulo, percebe que seus restos mortais foram saqueados, e já liga com a nova empresa em ascensão, Nova U, no qual começa a saga Morto Nunca Mais, e daí vai para lá…

Após perder a mãe, Otto começa a trabalhar dia e noite sendo já um físico nuclear renomado, até que ele sofre um acidente com materiais radioativos. O acidente fez com que o conjunto de 4 tentáculos mecânicos controlados por direcionais presos ao abdome, se fundisse com ele, dando-lhe a habilidade de controlá-los com a mente e ao mesmo tempo perturbando-o deixando megalomaníaco. Criado por Stan Lee, Otto apareceu pela primeira vez em The Amazing Spider-Man #3 (1963).

Morto Nunca Mais: A Conspiração dos Clones

Após quase perder um funcionário da Park Industries, que foi salvo miraculosamente pela empresa Nova U, Parker desconfia de algo ao chegar próximo do renovado Jerry Salteres e seu sentido aranha dispara. Ao mesmo tempo, J. Jonah Jameson se surpreende ao se deparar com sua falecida esposa Marla, apresentada pela Dra. Clarkson da Nova U, expondo que eles “não tem limites para fazer.” Nesse meio tempo, o pai de Jameson e atual marido da tia May (sim…Jameson de certa forma se tornou “primo” de Peter!), tem sua saúde piorada e, por pedido de Peter, May não usa o procedimento da Nova U (que o Aranha queria descobrir o que tinha por trás disso), e acaba falecendo gerando mais atrito entre ele e Jameson.

Chegando na Nova U, o Aranha descobre realmente do que se trata: os “renascidos” na verdade são clones que Miles Warren, o Chacal, está desenvolvendo a partir dos restos mortais ou corpos das pessoas mortas. E com isso, ele clona não só vários clones de si mesmo, como clones de vários vilões e pessoas próximas de Parker, como Gwen Stacy.

Parker tem a ajuda da Mulher-Aranha da Terra-65, que é a Gwen Stacy de lá.

O Aranha Escarlate, Kaine, e a Mulher-Aranha da Terra-65, Gwen Stacy (que após os eventos da saga Aranhaverso, faz parte da terra/realidade principal da Marvel, assim como outros personagens), ajudam Parker a também deter os planos da Nova U, e segundo próprio o Kaine, na Terra dele, Parker iria se juntar com o Chacal e espalhar sua “nova tecnologia” pelo mundo afora. O problema que além de serem clones, eles se diferenciam dos antigos modelos que Warren criava: eles mantém TODAS memórias da vida original (e não eram memórias implantadas como os anteriores), mas com uma condição, seus clones teriam que tomar um pílula diariamente caso contrário se deterioravam e se transformariam em “zumbis” (vírus Carniça) que poderiam até mesmo passar essa deterioração genética em outras pessoas, mesmo não sendo clones.

Ao descobrir que o Chacal estava controlando a empresa de fachada Nova U e com vários clones dele mesmo, o Aranha tenta impedir mas falha ao lutar contra Dr. Octopus (a sua consciência se transferiu com sucesso para um do clone dele mesmo), o Lagarto (que estava sob “controle” do Chacal, já que este clonou sua falecida esposa e filho), Electro (que agora é uma mulher, ex-namorada de Max Dillon, o Electro original) e o Rino (que também estava sob o controle do Chacal, ao ter sua antiga namorada “ressuscitada”).

Como pode-se observar, o Chacal manipula cada um para ser seu servo através dos clones de entes queridos das pessoas. O Aranha também descobre que o Chacal clonou cada vilão dele que faleceu, ficando extremamente perturbado ao ver a cena. Após ele a Mulher-Aranha da Terra-65 fugirem da base da Nova U, Wilson Fisk, o Rei do Crime, entrega a localização de onde o Chacal estaria em seguida, por ter ficado extremamente revoltado com ele por ter mexido nos restos mortais de sua falecida esposa Vanessa e seu filho, o também mafioso o Rosa.

Ao chegar ao local informado, o Homem-Aranha tem uma rápida luta contra o Chacal e percebe que o vilão esta mais forte e mais habilidoso, até que vem a revelação: ao retirar a máscara, o Chacal mostra ser na verdade Ben Reilly, o antigo clone (e antigo Aranha Escarlate) de Peter Parker!

Reilly neste ponto tenta manipular o próprio Parker, usando de sua antiga amizade e de suas lembranças como clone de Parker (que no seu caso eram memórias implantadas por Warren). Chega ao ponto de induzir Parker de se juntar a ele e a Nova U, que seria uma “salvação” para a humanidade, e não só para a humanidade mas para o próprio Peter trazendo o tio Ben de volta…

Conclusão

O Homem-Aranha (Peter Parker),  Mulher-Aranha da Terra-65 (Gwen Stacy) e o Aranha Escarlate (Kaine Parker) conseguem por um fim na Nova U e no Chacal / Reilly, não antes de ter suas consequências claro. Após todos clones se desintegrarem, e o vírus carniça que estava passando para os humanos se extinguir,  Dr. Octopus, que estava num corpo dele mesmo, consegue fugir, mas não com seu corpo clonado (já que iria se desintegrar) e sim com um corpo “perfeito” clonado de Parker, que iria ser usado por Reilly (sim…teremos em breve o Superior Octopus de volta!). Miles Warren (o verdadeiro e não um dos muitos clones…) o Chacal original, vai atrás de Ben Reilly (que também conseguiu fugir) para um acerto de contas, mas acaba dado como morto num incendio criado pelo próprio Reilly.

O que fica a entender é que em breve teremos mais de Ben Reilly nas hqs, e outro fator importante que pode aparecer num futuro próximo é que o Rei do Crime, ficou em divida (que já foi revelado que ele entregou uma informação ao Aranha com a localização de Norman Osborn, o Duende Verde!) com o Homem-Aranha, visto que Parker deteve o Chacal / Reilly que havia clonado os entes queridos de Fisk. Morto Nunca Mais: A Conspiração dos Clones trouxe de volta Ben Reilly, mas desta vez não como um herói e sim como um vilão, agora se ele irá se redimir e voltar a ser um dos “mocinhos” só as próximas edições poderá nos revelar. A saga também foi importante por trazer Dr. Octopus de volta, e parece que desta vez irá voltar de vez como um corpo de Parker.

Mas nem tudo são flores: novamente mexeram mais ainda na temática de clones que já anda defasada nas histórias do Aranha. Claro que, há exceções no meio da antiga Saga do Clone, houveram sim histórias bem elaboradas (Kaine é de longe o melhor fruto dela) mas no final acabaram se embolando tanto que o público prefere esquecer essa saga dos anos 90. E em Morto Nunca Mais: A Conspiração dos Clones não é diferente: começa de forma bem interessante, podendo gerar bons arcos futuros (que de certa forma deixou claro com Ben Reilly e Dr. Octopus), mas pecou na questão dos entes queridos e vilões clonados que dariam mais frutos ainda se aproveitasse da situação. Mas o que houve foi que em menos de 3 edições os vários clones dos vilões do Aranha (que outrora daria várias histórias para ele derrotar…) simplesmente foram eliminados e fizeram um papel bem medíocre na saga.

Pontos positivos:

  • Retorno de um clássico vilão e de outro personagem importante nas histórias do Aranha
  • História começa muito bem, envolvendo vários coadjuvantes
  • Deixa a entender que em breve o maior vilão do Homem-Aranha vai fazer sua estreia em 2017

Pontos negativos:

  • Na conclusão da saga a história desanda tentando apressar o desenvolvimento
  • Vilões coadjuvantes descartáveis
  • Tentativa de revitalizar o confuso tema “clones” nas histórias do Aranha

Nota final: 7 / 10

Zanella é cristão, marvete, nintendista, fã do Foo Fighters e rpgista. Encontre-o também no nerdprofeta.com

  • fmrbass

    Se o superior homem aranha já foi confuso, imagina essa saga aí…

    É muito clone clonado dos clones. Parece até Star Wars.

  • Daniel Moratori

    A Saga do Clone dos anos 90 foi uma das minhas preferidas, e criei uma profunda relação com Ben Reilly, o qual até hoje prefiro à Peter Parker. Espero que não destrua a imagem de Reilly, e sim melhore.

    • Seja bem vindo Daniel! Fique a vontade! Eu particularmente também curti ela, a saga do clone dos anos 90, me confundiu muito na época por ser garoto ainda lendo, mas depois eles lançaram uma edição aqui no Brasil, se não me engano era a Teia do Aranha alguma coisa 14 (não lembro se era 114, 214…enfim…), lembro que pedi minha mãe para comprar nas bancas assim que ela visse e peguei e li aquilo com o maior deleite. Essa edição era a conclusão da saga e na parte final da hq tinha um dossiê do Norman relatando tudo por trás da saga sob a visão dele, ou seja, explicando como ele estava por trás de tudo. Isso foi ótimo porque fechou a saga com chave de ouro. Quanto ao Reilly, cara eu também curtia demais aquele lance dele, lembro a época que ficava ele (que na época pensava-se ser o Parker original) e o Peter apoiando ele, se não me engano foi a época da saga do Massacre.
      Em breve vou trazer mais uma analise da atual saga do Aranha, e cara vou te falar, o roteirista atual dele, Dan Slott, estou curtindo muito a maneira que ele está fazendo as histórias…quanto ao Reilly…ele já está atuando hehe!
      Obrigado pelo comentário!

      • Daniel Moratori

        Eu acompanhei toda a Saga do Clone dos anos 90, colecionava Homem Aranha e a Teia do Aranha (tenho os HQ até hj), e parei quando mudaram para um formato maior (Série Premium da Abril, em 2000), o que elevou o preço e fui me afastando dos quadrinhos, já que era mais novo e não conseguia acompanhar.
        A conclusão da Saga foi ótima, mesmo com a morte do Aranha Escarlate, o qual, por mim,poderia substituir Peter tranquilamente.
        Voltei recentemente, quando numa busca por quadrinhos antigos descobri os scans. Ai estou me atualizando devido ao gape de mais de 15 anos sem ler nenhuma HQ’s. Aos poucos vou me colocando no eixo novamente. Estou lendo bastante para entender o que andou passando nesse período, pois rolou muita água cachoeira abaixo.
        Valeu.

        • Pow que bom que você voltou Daniel. Confesso que passei por algo parecido também: parei de comprar e acompanhar quando as hqs mudaram o padrão de pequenas para maior (que segue até hoje) e justamente pelo mesmo motivo seu, era garoto e não tinha grana para comprar todo mês. Devo ter ficado uns 6 a 7 anos sem ler, e depois voltei a acompanhar. Vou trazer mais sobre as principais sagas que estiverem acontecendo, bom que você está voltando e possamos trocar informações juntos.

          • Daniel Moratori

            Eu fiquei um tempo bem maior, me aprofundei em leitura sobre militarismo, depois faculdade, mestrado, pós…agora que sosseguei e retornei. Mas foi um retorno muito bom, mais amadurecido. Agora é acompanhar o que você postar e o que já foi postado, tenho que me atualizar bastante. Valeu.